Partido Socialista Brasileiro deixa o governo

Manobra indica que o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, se candidatará à presidência em 2014

Eduardo Campos, cuando era ministro en 2004.
Eduardo Campos, cuando era ministro en 2004.

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) deixou a aliança com o governo visando à possível candidatura do seu líder, Eduardo Campos, governador de Pernambuco, à eleição presidencial de 2014, quando enfrentaria a presidente Dilma Rousseff, de quem, até esta quinta-feira, fora companheiro de viagem.

Com a saída, o partido renuncia aos dois ministérios que tinha: o de Integração Nacional e o de Portos, além dos cargos no segundo escalão.

A presidente Dilma Rousseff e seu antecessor, o ex-presidente Lula da Silva, fizeram o possível e o impossível para evitar que o PSB continuasse no governo de que participava há mais de 10 anos.

Para o governo, a saída do partido de esquerda do jovem líder Eduardo Campos da aliança supõe uma perda grave a menos de um ano das eleições para presidente.

Campos sempre foi amigo pessoal de Lula e continua a sê-lo, mas para o seu partido, um dos que mais cresceu nos últimos anos e que conta com 23 deputados, chegou a hora de voar por conta própria.

Segundo informações da imprensa, Lula tinha chegado a oferecer-lhe a vice-presidência da República, junto com Rousseff. Além disso, tinham conversado sobre a possibilidade de que o Partido dos Trabalhadores o apresentasse como candidato à presidência em 2018. Tudo, menos perder Campos e o seu partido.

Únete ahora a EL PAÍS para seguir toda la actualidad y leer sin límites
Suscríbete aquí

Foi tudo inútil. Depois de uma reunião do PSB, Campos anunciou nesta quinta-feira que deixava o governo e os ministérios. E deu a entender que o PSB poderia apresentar candidato próprio em 2014.

Os ânimos já tinham azedado nos últimos meses, principalmente depois da publicação de fotos de Campos com o senador Aécio Neves, do opositor PSDB, também possível candidato à presidência, os dois cantando e se abraçando depois de um almoço.

Se llegó a hablar de un pacto entre ellos dos y la ecologista Marina Silva, otra posible candidata a las presidenciales, para apoyarse mutuamente en caso de una segunda vuelta contra Rousseff.

Chegou-se a falar de um pacto de apoio mútuo entre os dois e a ecologista Marina Silva, outra possível candidata à presidência, no caso de um segundo turno contra Rousseff.

Começaram a soar rumores no governo de que a presidente estaria irritada e considerava inconsequente que o PSB continuasse com ministérios e no governo ao mesmo tempo em que flertava com a oposição. Antes que Rousseff tomasse a decisão de retirar os ministros do PSB do governo, Campos se adiantou e anunciou a saída do partido do executivo e da aliança governamental. Ainda assim, tentou deixar claro que o PSB não tinha passado para a oposição e que simplesmente preferia ter a liberdade de criticar o executivo quando considerasse necessário.

Lula, que é esperto e conhece muito bem os seus amigos políticos, continua com a esperança de que, ante um segundo turno nas eleições, Campos transfira os seus votos para Rousseff. Ele pediu à mandatária que o tratasse “com carinho” e não rompesse relações com ele. Por isso, ao deixar um encontro de mais de uma hora com a presidente para informá-la da decisão do partido, ela se despediu de Campos dizendo: “A porta estará sempre aberta para você.”

A areia movediça da política começa a se agitar com a proximidade das eleições presidenciais. Na última pesquisa, Dilma tinha 35% dos votos, Marina Silva 31%, Aécio Neves 15% e Eduardo Campos, o menos conhecido nacionalmente, 7%.

Tradução de Cristina Cavalcanti

Normas
Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Ya no dispones de más artículos gratis este mes

Suscríbete para seguir leyendo

Descubre las promociones disponibles

Suscríbete

Ya tengo una suscripción