Rousseff condena as práticas de espionagem ante as Nações Unidas

A presidente do Brasil propõe a regulamentação da Internet para evitar uma prática que considera uma “violação da soberania e dos direitos humanos”

Andrew Burton (AP)

A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, denunciou nesta terça-feira ante a Assembleia Geral das Nações Unidas as práticas de espionagem internacional reveladas nos últimos meses e propôs uma regulamentação que assegure maior controle do uso da Internet para evitar este tipo de atividade de vigilância, que qualificou como um atentado à “soberania dos Estados” e à “liberdade de expressão” e uma “violação dos direitos humanos.

“O Brasil foi objeto direto deste tipo de intrusão”, ressaltou Dilma quase no início do seu discurso, aludindo às revelações feitas pelo ex-analista estadunidense Edward Snowden segundo as quais os EUA espionaram as comunicações de milhares de cidadãos brasileiros, entre eles a própria presidente brasileira e vários dos seus assessores. A revelação causou o cancelamento da visita oficial de Rousseff a Washington, prevista para final de outubro, e um pedido do governo brasileiro de que o governo americano apresente explicações formais.

Embora não tenha se referido diretamente aos EUA em seu discurso, Rousseff foi taxativa ao denunciar a espionagem internacional. “Trata-se de uma ofensa à legislação internacional e aos princípios que devem reger entre os Estados”, assinalou. “Este é um caso grave de violação dos direitos civis e uma falta de respeito à soberania nacional do meu país”, acrescentou.

O incidente da espionagem estadunidense no Brasil foi tratado pessoalmente por Rousseff e seu homólogo, Barack Obama, durante a reunião do G20 em São Petersburgo, no começo de setembro, e por telefone na semana passada. “Pedimos garantias de que algo semelhante não voltará a ocorrer”, reconheceu a mandatária brasileira. “O argumento de que estas práticas são feitas em prol da segurança é simplesmente insustentável”, assinalou Rousseff.

A presidente do Brasil propôs à Assembleia Geral da ONU a regulamentação do uso da Internet para garantir a sua transparência e definir o uso da rede, e normas e mecanismos que impeçam que seja empregada para desenvolver práticas de vigilância e espionagem. “Estas atividades são um atentado à liberdade de expressão, e sem liberdade de expressão não há democracia e nem base para uma relação adequada entre as nações”, advertiu Dilma. “Devemos assegurar uma regulamentação responsável que proteja os dados da web e garanta a liberdade de expressão e a transparência”, apontou.

A presidente aproveitou o seu discurso para defender as medidas do seu governo para erradicar a pobreza no país, um dos objetivos do milênio fixados pela ONU para 2015, condenar o uso de armas químicas na Síria e se opor a uma resolução unilateral a este respeito.

Únete a EL PAÍS para seguir toda la actualidad y leer sin límites.
Suscríbete

Tradução de Cristina Cavalcanti

Sobre la firma

Eva Saiz

Redactora jefa en Andalucía. Ha desarrollado su carrera profesional en el diario como responsable de la edición impresa y de contenidos y producción digital. Formó parte de la corresponsalía en Washington y ha estado en las secciones de España y Deportes. Licenciada en Derecho por Universidad Pontificia Comillas ICAI- ICADE y Máster de EL PAÍS.

Normas
Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS