Selecciona Edición
Conéctate
Selecciona Edición
Tamaño letra

Patios coeducativos: abrir la escuela para transformar la ciudad

Patios coeducativos: abrir la escuela para transformar la ciudad

Por Adriana Ciocoletto

Recogiendo ideas de varias autoras, la Coeducación es aplicar la perspectiva de género en el ámbito educativo, para conseguir la plena igualdad de derechos entre mujeres y hombres desde la infancia. A través de la coeducación, se valoran indistintamente la experiencia, las aptitudes y aportaciones individuales de nenas, nenes o jóvenes independientemente de su sexo, o identidad sexual o de género. Esta mirada, contribuye a valorar las diferencias y a evitar, no solo la discriminación en función del sexo y género, si no también de la edad, origen, clase social, diversidad funcional, etc. Actualmente, gracias a las reivindicaciones feministas, muchas escuelas incorporan en sus contenidos curriculares los valores de la coeducación. Pero pocas veces se aplica de forma integral esta visión que establece un vínculo entre las relaciones sociales y la configuración física de los espacios escolares.

Los “patios coeducativos” son proyectos que buscan, más allá de una mejora física del patio como espacio de juego y encuentro, transformar las relaciones de género que se perpetúan en nuestra sociedad y que se reflejan desde la infancia. Estos proyectos son impulsados por la cooperación entre entidades que trabajan desde la perspectiva de género, y por administraciones públicas que les interesa aplicar la coeducación dentro de sus programas y que cuentan con la implicación de toda la comunidad educativa; alumnado, profesorado y familias.

¿Y cómo está el patio?

El patio de la escuela es uno de los primeros espacios de socialización, un espacio público donde infantes pasan unas 525 horas al año (según informe breus#31 de la Fundació Jaume Bofill). Aquí es donde desarrollan sus propias capacidades pero también donde aprenden a relacionarse con las demás personas, a conocer otras experiencias; convivir, comprender, compartir, en un espacio común con gente diversa. Todo espacio, desde su diseño, materiales y distribución, condiciona el uso que hacen las personas; por lo tanto, condiciona las relaciones humanas y la convivencia. El diseño del patio escolar, al igual que otros espacios públicos de la ciudad, reproduce los roles de género y genera discriminaciones de diferentes tipos. La distribución y diseño de los patios escolares tiene una marcada jerarquía en la pista deportiva, en general ubicada en el centro, donde predominan los mayores, varones y el fútbol como actividad casi exclusiva. Todos las demás usos queden relegados a su periferia. No hay más opción que buscar rincones donde realizar otras actividades, juegos de movimiento no competitivos que realizan las niñas y niños que no juegan al fútbol o al básquet, o actividades más tranquilas, como la estancia, la reunión o el paseo. Esta dualidad y jerarquía entre quienes juegan y no juegan al fútbol otorga privilegios y genera exclusiones.

Diagnóstico participado, mapeo de los usos del patio, Escuela Lluís Vives, Castelldefells, Barcelona. Col·lectiu Punt 6 y CoeducAcció, 2016.

Esta falta de equilibrio en el tipo de espacios se manifiesta también en la naturaleza. En general, el pavimento de hormigón que ocupa la mayor superficie predomina sobre los materiales naturales como arena, tierra, agua o vegetación y; con suerte, queda espacio para un pequeño huerto.

¿Cómo es un patio coeducativo?

Son espacios que buscan mejorar las relaciones intergénero, intergeneracional e intercultural rompiendo todo tipo de estereotipos para equilibrar las diferentes necesidades y deseos de quienes los habitan. Para ello, se aumentan los espacios de tranquilidad y diversifican las actividades de movimiento, promoviendo la autonomía, la autoestima, el respeto y la ayuda mutua. Además, introducen la naturaleza en todos los elementos posibles, no solo en la vegetación, sino también en la forma de construir los juegos o el mobiliario con materiales provenientes de la reutilización, el reciclaje y la bioconstrucción, desde la perspectiva de la ecología.

Diagnóstico participado, mapeo de los usos del patio, Escuela Lluís Vives, Castelldefells, Barcelona. Col·lectiu Punt 6 y CoeducAcció, 2016.

Las propuestas van desde diseñar nuevas estructuras que combinan actividades de movimiento de diferente intensidad, hasta elementos menos definidos como troncos o superficies de diversos materiales y texturas, y elementos como circuitos de agua y arena que favorecen la imaginación y la experimentación. Se propone llevar las aulas al patio con espacios que permitan la lectura o el dibujo; además del huerto. Los espacios que quedan más protegidos se utilizan para los juegos simbólicos, como cocinar, construir o hacer representaciones, así como espacios de relajación. Las construcciones de pequeñas casas, tipis, cuevas, túneles vegetales o espacios que permitan la intimidad o el escondite, son otros de los elementos propuestos para patios de primaria o infantil.

Proyecto “Fem Patis”, escuela Montserrat, Sant Salvador de Guardiola, Barcelona, 2015. Foto: Diego Yriarte.
Proyecto “Fem Patis”, escuela Montserrat, Sant Salvador de Guardiola, Barcelona, 2015. Foto: Diego Yriarte.

La solución para conseguir mejorar los patios escolares no pasa solo por el diseño físico, sino también por las formas de gestionar el uso del espacio, como por ejemplo acotar la actividad del fútbol a algunos días de la semana o eliminarla por completo. Otras soluciones pasan por evitar que dos actividades incompatibles, como una de mucho movimiento y otras más tranquilas interfieran entre sí. Todas estas transformaciones necesitan un tiempo de puesta en marcha y acompañamiento. Hay cambios favorables que aparecen de forma prácticamente inmediata, cuando se presentan alternativas para aquellas niñas y niños que antes no encontraban su espacio. En experiencias realizadas desde hace algunos años (Associació CoeducAcció), comienza a haber un equilibrio en la ocupación del espacio entre niñas y niños y en la diversidad del tipo de juego que realizan.

¡Abrimos los patios a la ciudad!

Aplicar la coeducación en el diseño y la gestión del patio escolar va más allá de este espacio, se plantea como una propuesta pedagógica transformadora que intenta extender todos los valores que promueve hacia el entorno próximo y al resto de la ciudad. Los patios escolares son solo un trocito de la ciudad, pero si los abrimos a sus barrios podrían actuar como semilleros, como espacios públicos ejemplificadores de una ciudad que pretende ser inclusiva, justa e igualitaria, que respeta el hábitat que la envuelve para contribuir a una verdadera “ciudad coeducadora”.

Adriana Ciocoletto Dra. Arquitecta y Urbanista, integrante de Col·lectiu Punt 6.

Comentarios

IMAGEM E VISAO DESPORTIVA. REPORTAGEM FEITA NO SERVIÇO LOCAL DAS FINANÇAS DE ELVAS. INFORMAÇAO DIRIGIDA A TECNICOS E TREINADORES DESPORTIVOS,ARBITROS,JOGADORES,ATLETISMO,BASQUETEBOL E FUTEBOL. boa tarde, começo por convidar todos a aderir a deduçao do IVA. o regime contempla a atividade individual ou empresarial.se tem de integrar o REGIME DO IVA,deve recorrer ao serviço de um contabelista para que o mesmo de tres em tres messes possa apurar e integrar os rendimentos. e fundamental perceber que o REGIME DO IVA,presupoe o INICIO DE ATIVIDADE.isto significa,que e altura de encontrar um ponte entre a obrigaçao estatal e a relaçao do estado para com os interessados na relaçao do IVA/IRS. e altura de atuar com prudencia em virtude de adentrarmo-nos numa etapa em que o governo antonio costa tera de profundizar no AUTARQUISMO/ASSENTAMENTOS HUMANOS. GNR. Guarda Nacional Republicana Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Guarda Nacional Republicana COA pt garde nationale républicaine.svg Brasão da GNR País Portugal Subordinação Ministério da Administração Interna e Ministério da Defesa Nacional Missão Força de Segurança Sigla GNR Criação 1911 Aniversários 3 de Maio Patrono Nossa Senhora do Carmo Lema Pela Lei e Pela Grei História Condecorações GOTE GCC MHA MHIH MHL Sede Guarnição Lisboa Bairro Chiado (Sacramento) Endereço Quartel do Carmo, Santa Maria Maior Internet Sítio oficial Flickr Twitter Videos Youtube Facebook Patrulha da GNR com cavalos lusitanos na Praia da Saúde, Costa da Caparica. Patrulha territorial vigiando uma festa popular. Viatura da Brigada de Trânsito (BT). Viatura de socorro florestal do Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro (GIPS). Lancha da Brigada Fiscal (BF). A Guarda Nacional Republicana GOTE • GCC • MHA • MHIH • MHL é uma força de segurança de natureza militar, constituída por militares organizados num corpo especial de tropas e dotada de autonomia administrativa, com jurisdição em todo o território nacional e no mar territorial. Pela sua natureza e polivalência, a GNR encontra o seu posicionamento institucional no conjunto das forças militares e das forças e serviços de segurança, sendo a única força de segurança com natureza e organização militares, caracterizando-se como uma Força Militar de Segurança Pública. A Guarda constitui-se assim como uma Instituição charneira, entre as Forças Armadas e as Forças Policiais e Serviços de Segurança. Consequentemente, a GNR mostra ser uma força bastante apta a cobrir em permanência, todo o espectro da conflitualidade em quaisquer das modalidades de intervenção das Forças Nacionais, nas diversas situações que se lhe possam deparar, desde o tempo de paz e de normalidade institucional ao de guerra, passando pelas situações de crise, quer a nível interno, quer no externo (como foram os casos de Timor e do Iraque). Em situação de normalidade, a Guarda executa fundamentalmente as típicas missões policiais, mas não só, porque decorre da sua missão, a atribuição de missões militares no âmbito da defesa nacional, em cooperação com as Forças Armadas e é aqui que reside a grande diferença para com as Polícias. Em situações de estado de emergência ou de sítio, devido à sua natureza, organização e à formação dos seus militares, apresenta-se como a força mais indicada para actuar em situações problemáticas e de transição entre as Polícias e as Forças Armadas. Já em caso de guerra, pela sua natureza militar e pelo dispositivo de quadrícula, que ocupa todo o território nacional, pode, isoladamente ou em complemento, desempenhar um leque muito alargado de missões das Forças Armadas. De igual forma, pode cobrir todo o espectro de missões no âmbito das denominadas OOTW “Operations Other Than War” (Operações para além da Guerra), desde a fase de imposição à de manutenção, em complemento das Forças Armadas, com principal relevância para as fases pós-conflito, e ainda, as tarefas de polícia em substituição das polícias civis, nas fases posteriores e antes de alcançada a segurança e a estabilidade suficientes para que aquelas possam actuar. A GNR partilha as responsabilidades do policiamento de Portugal continental com a Polícia de Segurança Pública (PSP), cabendo a esta última apenas a responsabilidade dos grandes centros urbanos (5% do território nacional) e à Guarda, a responsabilidade de 40% da cidades, 98% das vilas e a totalidade das aldeias do país. Nos Açores e na Madeira está atribuído, também à PSP, o policiamento das áreas rurais, cabendo à GNR a operar nas áreas fiscal, controlo costeiro, proteção da natureza e socorro Na fração habitada mais isolada do território de Portugal, a ilha do Corvo, a GNR é a única força policial permanentemente instalada, assumindo todas as responsabilidades policiais na ilha. A GNR tem como atribuições exclusivas: assegurar o cumprimento das disposições legais referentes à protecção e conservação da natureza e do ambiente, bem como prevenir e investigar os respectivos ilícitos; Garantir a fiscalização, o ordenamento e a disciplina do trânsito em todas as infra-estruturas constitutivas dos eixos da Rede Nacional Fundamental e da Rede Nacional Complementar; A vigilância, patrulhamento e intercepção terrestre e marítima, em toda a costa e mar territorial do continente e das Regiões Autónomas; Controlar e fiscalizar as embarcações, seus passageiros e carga, assim como, participar na fiscalização das actividades de captura, desembarque, cultura e comercialização das espécies marinhas; Prevenir e investigar as infracções tributárias, fiscais e aduaneiras, bem como fiscalizar e controlar a circulação de mercadorias sujeitas à acção tributária, fiscal ou aduaneira e executar acções de prevenção e de intervenção de primeira linha, em todo o território nacional, em situação de emergência de protecção e socorro, designadamente nas ocorrências de incêndios florestais ou de matérias perigosas, catástrofes e acidentes graves, entre outras. A GNR tem ainda a responsabilidade das honras de estado e da segurança aos vários edifícios dos Órgãos de Soberania, como o Palácio de Belém - residência oficial do Presidente da República -, o Palácio de São Bento - sede da Assembleia da República e residência oficial do Primeiro-Ministro - e o Palácio das Necessidades - sede do Ministério dos Negócios Estrangeiros. A GNR foi criada em 1801, como Guarda Real da Polícia, inspirando-se na Gendarmerie francesa. Índice [esconder] 1 Organização 2 História 2.1 Guarda Real da Polícia (GRP) 2.2 Guarda Municipal 2.3 Guarda Republicana 2.4 Guarda Nacional Republicana (GNR) 3 Comandantes-gerais 3.1 Guarda Real da Polícia de Lisboa 3.2 Guarda Municipal de Lisboa 3.3 Guarda Municipal 3.4 Guarda Republicana 3.5 Guarda Nacional Republicana 4 Equipamento 5 Condecorações 6 Referências Ver também 8 Ligações externas Organização[editar | editar código-fonte] A Guarda Nacional Republicana está dependente para efeitos policiais e operacionais em tempo de paz, do Ministério da Administração Interna e para efeitos militares do Ministério da Defesa Nacional. No seguimento da Lei nº 63/200 (nova Lei Orgânica da GNR) a tradicional estrutura da GNR, que incluía quatro brigadas territoriais, a Brigada Fiscal, a Brigada de Trânsito, o Regimento de Cavalaria (Membro-Honorário da Ordem do Infante D. Henrique a 5 de Janeiro de 2006)[1] e o Regimento de Infantaria, foram substituídas por uma nova estrutura, consideravelmente diferente, que foi implementada no início de 2009. A GNR é comandada por um oficial general, com o título de Comandante-Geral e inclui: 1) Estrutura de comando, com: Comando da Guarda Comando Operacional (CO) Comando da Administração dos Recursos internos (CARI) Comando da Doutrina e Formação (CDF) 2) Unidades territoriais: Comando Territorial da Madeira Comando Territorial de Aveiro Comando Territorial de Beja Comando Territorial de Braga Comando Territorial de Bragança Comando Territorial de Castelo Branco comando Territorial de Coimbra Comando Territorial de Évora Comando Territorial de Faro Comando Territorial da Guarda Comando Territorial de Viseu Comando Territorial de Lisboa Comando Territorial dos Açores Comando Territorial de Portalegre Comando Territorial do Porto Comando Territorial de Santarém Comando Territorial de Setúbal Comando Territorial de Leiria Comando Territorial de Viana do Castelo Comando Territorial de Vila Real Cada comando territorial - comandado por um coronel ou tenente-coronel - inclui destacamentos - comandados por major, capitão ou também por oficial subalterno, subdestacamentos - comandados por oficiais subalternos - e postos territoriais - comandados por sargentos. Cada comando territorial, normalmente, inclui também um destacamento de trânsito e um destacamento de intervenção. Os comando territoriais dos Açores e da Madeira desempenham, essencialmente, apenas missões de controlo costeiro e de ação fiscal, respetivamente, sob dependência funcional da UCC e UAF. Os atuais comandos territoriais correspondem, essencialmente aos anteriores grupos territoriais das antigas brigadas territoriais. A extinção das brigadas territoriais, no final de 2008, colocou os comandos territoriais na direta dependência da estrutura central de comando da GNR; 3) Unidades especializadas: Unidade de Controlo Costeiro (UCC) - comandada por um major-general, é responsável pela vigilância e intercepção marítima e costeira, incluindo a operação do Sistema Integrado de Vigilância, Comando e Controlo (SIVICC), distribuido ao longo da orla marítima portuguesa. Esta unidade sucedeu ao anterior Serviço Marítimo da Brigada Fiscal; Unidade de Ação Fiscal (UAF) - comandada por um coronel, é responsável pelo desempenho da missão tributária, fiscal e aduaneira atribuída à GNR. Sucedeu à anterior Brigada Fiscal; Unidade Nacional de Trânsito (UNT) - comandada por um coronel, é responsável pela uniformização de procedimentos e formação no âmbito da fiscalização de trânsito. Excepcionalmente pode assumir diretamente a realização de missões especiais de fiscalização de trânsito, que, normalmente serão desempnhadas pelos destacamentos de trânsito dos comandos territoriais. Esta unidade substituiu a estrutura central da antiga Brigada de Trânsito, deixando de ter subunidades territoriais de trânsito, que passaram para a dependência dos diversos comando territoriais; Unidade de Segurança e Honras de Estado (USHE) - comandada por um major-general, é responsável por missões de representação e de segurança das instalações dos órgãos de soberania. Inclui o Esquadrão Presidencial, a Charanga a Cavalo, a Banda da Guarda, o Grupo Honras de Estado e o Grupo de Segurança. Esta unidade substituiu o antigo Regimento de Cavalaria e as subunidades de guarnição do antigo Regimento de Infantaria; Unidade de Intervenção (UI) - comandada por um major-general, é responsável pelas missões de manutenção e restabelecimento da ordem pública, gestão de incidentes críticos, intervenções táticas, segurança de instalações sensíveis, inativação de explosivos, proteção e socorro e projeção de forças para missões internacionais. Inclui Grupo de Intervenção de Ordem Pública (GIOP) e de Operações Especiais (GIOE), Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS), Grupo Operacional Cinotécnico, Centro de Inativação de Explosivos e Segurança em Subsolo (CIESS) e Centro de Treino e Aprontamento de Força para Missões Internacionais. Esta unidade foi organizada com várias subunidades do antigo Regimento de Infantaria. 4) Estabelecimento de ensino: Escola da Guarda (EG) - comandada por um major-general, é responsável pela formação técnico-profissional dos militares da GNR. Inclui os centros de formação da Figueira da Foz (CFFF) e de Portalegre (CFP). Sucedeu à anterior Escola Prática da Guarda.[2] Ainda que não faça parte da orgânica da GNR, é na Academia Militar que, actualmente, os oficiais da GNR são formados.[3] História[editar | editar código-fonte] FONTE: s://pt.wikipedia.org/wiki/Guarda_Nacional_Republicana volto a entrar. o moçambicano nao tem opçao comentario direto.e uma pena,ja vemos alternativa
ME PARECE UNA VISION PEDAGOGICA MUY INTERESANTE,BASADA EN LA FORMACION INTEGRAL, SOCIAL-eXIGE UNA NUEVA CONCEPCION AGREGADA Y/O INCLUSIVA EN LOS MAESTROS, ADAPTADA A SU CURRICULA, QUE EXIGIRA CAMBIOS EN SU FUNCION ,INTEGRACION ES PARTE DE LA EXCELENCIA EN EL "APRENDIZAJE"
EXECELENCIA EN LOS TIEMPOS QUE CORREN,ADAPTADO A LA EDUCACION_SOCIALIZACION INTEGRAL DE NUEVAS GENERACIONES.
La coeducación es el método en el cual personas de ambos sexos son educadas sin distinguir el sexo al que pertenecen, algo que ya está siendo implementado en la mayoría de partes del mundo. Si no estoy mal en un principio las personas estudiaban solamente con personas de su propio sexo, incluso en algunos países se puede ver que las escuelas que pertenecen al estado aún tienen marcado este tipo de educación, ya sea en educación primaria o educación media. En muchos otros ya casi está erradicada esta forma de educar, a pesar de esto hay instituciones privadas o religiosas que aún practican la educación distinguiendo entre hombres y mujeres. Peor aún, existen países en donde la discriminación de género no solo se da en la educación, sino también en otros aspectos de la vida cotidiana, lo cuál afecta considerablemente la calidad de vida de las personas. Esto se puede ver muy marcado en países en donde se practica el radicalismo, como por ejemplo algunos de los países donde el islam no solo es una religión, sino una forma de vida, dominando incluso temas políticos y legales. En fin, este es un tema de nunca acabar pero está muy bien el arítuclo.
IMAGEM E VISAO DESPORTIVA. REPORTAGEM FEITA NO SERVIÇO LOCAL DAS FINANÇAS DE ELVAS. INFORMAÇAO DIRIGIDA A TECNICOS E TREINADORES DESPORTIVOS,ARBITROS,JOGADORES,ATLETISMO,BASQUETEBOL E FUTEBOL. boa tarde, começo por convidar todos a aderir a deduçao do IVA. o regime contempla a atividade individual ou empresarial.se tem de integrar o REGIME DO IVA,deve recorrer ao serviço de um contabelista para que o mesmo de tres em tres messes possa apurar e integrar os rendimentos. e fundamental perceber que o REGIME DO IVA,presupoe o INICIO DE ATIVIDADE.isto significa,que e altura de encontrar um ponte entre a obrigaçao estatal e a relaçao do estado para com os interessados na relaçao do IVA/IRS. e altura de atuar com prudencia em virtude de adentrarmo-nos numa etapa em que o governo antonio costa tera de profundizar no AUTARQUISMO/ASSENTAMENTOS HUMANOS. GNR. Guarda Nacional Republicana Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Guarda Nacional Republicana COA pt garde nationale républicaine.svg Brasão da GNR País Portugal Subordinação Ministério da Administração Interna e Ministério da Defesa Nacional Missão Força de Segurança Sigla GNR Criação 1911 Aniversários 3 de Maio Patrono Nossa Senhora do Carmo Lema Pela Lei e Pela Grei História Condecorações GOTE GCC MHA MHIH MHL Sede Guarnição Lisboa Bairro Chiado (Sacramento) Endereço Quartel do Carmo, Santa Maria Maior Internet Sítio oficial Flickr Twitter Videos Youtube Facebook Patrulha da GNR com cavalos lusitanos na Praia da Saúde, Costa da Caparica. Patrulha territorial vigiando uma festa popular. Viatura da Brigada de Trânsito (BT). Viatura de socorro florestal do Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro (GIPS). Lancha da Brigada Fiscal (BF). A Guarda Nacional Republicana GOTE • GCC • MHA • MHIH • MHL é uma força de segurança de natureza militar, constituída por militares organizados num corpo especial de tropas e dotada de autonomia administrativa, com jurisdição em todo o território nacional e no mar territorial. Pela sua natureza e polivalência, a GNR encontra o seu posicionamento institucional no conjunto das forças militares e das forças e serviços de segurança, sendo a única força de segurança com natureza e organização militares, caracterizando-se como uma Força Militar de Segurança Pública. A Guarda constitui-se assim como uma Instituição charneira, entre as Forças Armadas e as Forças Policiais e Serviços de Segurança. Consequentemente, a GNR mostra ser uma força bastante apta a cobrir em permanência, todo o espectro da conflitualidade em quaisquer das modalidades de intervenção das Forças Nacionais, nas diversas situações que se lhe possam deparar, desde o tempo de paz e de normalidade institucional ao de guerra, passando pelas situações de crise, quer a nível interno, quer no externo (como foram os casos de Timor e do Iraque). Em situação de normalidade, a Guarda executa fundamentalmente as típicas missões policiais, mas não só, porque decorre da sua missão, a atribuição de missões militares no âmbito da defesa nacional, em cooperação com as Forças Armadas e é aqui que reside a grande diferença para com as Polícias. Em situações de estado de emergência ou de sítio, devido à sua natureza, organização e à formação dos seus militares, apresenta-se como a força mais indicada para actuar em situações problemáticas e de transição entre as Polícias e as Forças Armadas. Já em caso de guerra, pela sua natureza militar e pelo dispositivo de quadrícula, que ocupa todo o território nacional, pode, isoladamente ou em complemento, desempenhar um leque muito alargado de missões das Forças Armadas. De igual forma, pode cobrir todo o espectro de missões no âmbito das denominadas OOTW “Operations Other Than War” (Operações para além da Guerra), desde a fase de imposição à de manutenção, em complemento das Forças Armadas, com principal relevância para as fases pós-conflito, e ainda, as tarefas de polícia em substituição das polícias civis, nas fases posteriores e antes de alcançada a segurança e a estabilidade suficientes para que aquelas possam actuar. A GNR partilha as responsabilidades do policiamento de Portugal continental com a Polícia de Segurança Pública (PSP), cabendo a esta última apenas a responsabilidade dos grandes centros urbanos (5% do território nacional) e à Guarda, a responsabilidade de 40% da cidades, 98% das vilas e a totalidade das aldeias do país. Nos Açores e na Madeira está atribuído, também à PSP, o policiamento das áreas rurais, cabendo à GNR a operar nas áreas fiscal, controlo costeiro, proteção da natureza e socorro Na fração habitada mais isolada do território de Portugal, a ilha do Corvo, a GNR é a única força policial permanentemente instalada, assumindo todas as responsabilidades policiais na ilha. A GNR tem como atribuições exclusivas: assegurar o cumprimento das disposições legais referentes à protecção e conservação da natureza e do ambiente, bem como prevenir e investigar os respectivos ilícitos; Garantir a fiscalização, o ordenamento e a disciplina do trânsito em todas as infra-estruturas constitutivas dos eixos da Rede Nacional Fundamental e da Rede Nacional Complementar; A vigilância, patrulhamento e intercepção terrestre e marítima, em toda a costa e mar territorial do continente e das Regiões Autónomas; Controlar e fiscalizar as embarcações, seus passageiros e carga, assim como, participar na fiscalização das actividades de captura, desembarque, cultura e comercialização das espécies marinhas; Prevenir e investigar as infracções tributárias, fiscais e aduaneiras, bem como fiscalizar e controlar a circulação de mercadorias sujeitas à acção tributária, fiscal ou aduaneira e executar acções de prevenção e de intervenção de primeira linha, em todo o território nacional, em situação de emergência de protecção e socorro, designadamente nas ocorrências de incêndios florestais ou de matérias perigosas, catástrofes e acidentes graves, entre outras. A GNR tem ainda a responsabilidade das honras de estado e da segurança aos vários edifícios dos Órgãos de Soberania, como o Palácio de Belém - residência oficial do Presidente da República -, o Palácio de São Bento - sede da Assembleia da República e residência oficial do Primeiro-Ministro - e o Palácio das Necessidades - sede do Ministério dos Negócios Estrangeiros. A GNR foi criada em 1801, como Guarda Real da Polícia, inspirando-se na Gendarmerie francesa. Índice [esconder] 1 Organização 2 História 2.1 Guarda Real da Polícia (GRP) 2.2 Guarda Municipal 2.3 Guarda Republicana 2.4 Guarda Nacional Republicana (GNR) 3 Comandantes-gerais 3.1 Guarda Real da Polícia de Lisboa 3.2 Guarda Municipal de Lisboa 3.3 Guarda Municipal 3.4 Guarda Republicana 3.5 Guarda Nacional Republicana 4 Equipamento 5 Condecorações 6 Referências Ver também 8 Ligações externas Organização[editar | editar código-fonte] A Guarda Nacional Republicana está dependente para efeitos policiais e operacionais em tempo de paz, do Ministério da Administração Interna e para efeitos militares do Ministério da Defesa Nacional. No seguimento da Lei nº 63/200 (nova Lei Orgânica da GNR) a tradicional estrutura da GNR, que incluía quatro brigadas territoriais, a Brigada Fiscal, a Brigada de Trânsito, o Regimento de Cavalaria (Membro-Honorário da Ordem do Infante D. Henrique a 5 de Janeiro de 2006)[1] e o Regimento de Infantaria, foram substituídas por uma nova estrutura, consideravelmente diferente, que foi implementada no início de 2009. A GNR é comandada por um oficial general, com o título de Comandante-Geral e inclui: 1) Estrutura de comando, com: Comando da Guarda Comando Operacional (CO) Comando da Administração dos Recursos internos (CARI) Comando da Doutrina e Formação (CDF) 2) Unidades territoriais: Comando Territorial da Madeira Comando Territorial de Aveiro Comando Territorial de Beja Comando Territorial de Braga Comando Territorial de Bragança Comando Territorial de Castelo Branco comando Territorial de Coimbra Comando Territorial de Évora Comando Territorial de Faro Comando Territorial da Guarda Comando Territorial de Viseu Comando Territorial de Lisboa Comando Territorial dos Açores Comando Territorial de Portalegre Comando Territorial do Porto Comando Territorial de Santarém Comando Territorial de Setúbal Comando Territorial de Leiria Comando Territorial de Viana do Castelo Comando Territorial de Vila Real Cada comando territorial - comandado por um coronel ou tenente-coronel - inclui destacamentos - comandados por major, capitão ou também por oficial subalterno, subdestacamentos - comandados por oficiais subalternos - e postos territoriais - comandados por sargentos. Cada comando territorial, normalmente, inclui também um destacamento de trânsito e um destacamento de intervenção. Os comando territoriais dos Açores e da Madeira desempenham, essencialmente, apenas missões de controlo costeiro e de ação fiscal, respetivamente, sob dependência funcional da UCC e UAF. Os atuais comandos territoriais correspondem, essencialmente aos anteriores grupos territoriais das antigas brigadas territoriais. A extinção das brigadas territoriais, no final de 2008, colocou os comandos territoriais na direta dependência da estrutura central de comando da GNR; 3) Unidades especializadas: Unidade de Controlo Costeiro (UCC) - comandada por um major-general, é responsável pela vigilância e intercepção marítima e costeira, incluindo a operação do Sistema Integrado de Vigilância, Comando e Controlo (SIVICC), distribuido ao longo da orla marítima portuguesa. Esta unidade sucedeu ao anterior Serviço Marítimo da Brigada Fiscal; Unidade de Ação Fiscal (UAF) - comandada por um coronel, é responsável pelo desempenho da missão tributária, fiscal e aduaneira atribuída à GNR. Sucedeu à anterior Brigada Fiscal; Unidade Nacional de Trânsito (UNT) - comandada por um coronel, é responsável pela uniformização de procedimentos e formação no âmbito da fiscalização de trânsito. Excepcionalmente pode assumir diretamente a realização de missões especiais de fiscalização de trânsito, que, normalmente serão desempnhadas pelos destacamentos de trânsito dos comandos territoriais. Esta unidade substituiu a estrutura central da antiga Brigada de Trânsito, deixando de ter subunidades territoriais de trânsito, que passaram para a dependência dos diversos comando territoriais; Unidade de Segurança e Honras de Estado (USHE) - comandada por um major-general, é responsável por missões de representação e de segurança das instalações dos órgãos de soberania. Inclui o Esquadrão Presidencial, a Charanga a Cavalo, a Banda da Guarda, o Grupo Honras de Estado e o Grupo de Segurança. Esta unidade substituiu o antigo Regimento de Cavalaria e as subunidades de guarnição do antigo Regimento de Infantaria; Unidade de Intervenção (UI) - comandada por um major-general, é responsável pelas missões de manutenção e restabelecimento da ordem pública, gestão de incidentes críticos, intervenções táticas, segurança de instalações sensíveis, inativação de explosivos, proteção e socorro e projeção de forças para missões internacionais. Inclui Grupo de Intervenção de Ordem Pública (GIOP) e de Operações Especiais (GIOE), Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS), Grupo Operacional Cinotécnico, Centro de Inativação de Explosivos e Segurança em Subsolo (CIESS) e Centro de Treino e Aprontamento de Força para Missões Internacionais. Esta unidade foi organizada com várias subunidades do antigo Regimento de Infantaria. 4) Estabelecimento de ensino: Escola da Guarda (EG) - comandada por um major-general, é responsável pela formação técnico-profissional dos militares da GNR. Inclui os centros de formação da Figueira da Foz (CFFF) e de Portalegre (CFP). Sucedeu à anterior Escola Prática da Guarda.[2] Ainda que não faça parte da orgânica da GNR, é na Academia Militar que, actualmente, os oficiais da GNR são formados.[3] História[editar | editar código-fonte] FONTE: s://pt.wikipedia.org/wiki/Guarda_Nacional_Republicana volto a entrar. o moçambicano nao tem opçao comentario direto.e uma pena,ja vemos alternativa
ME PARECE UNA VISION PEDAGOGICA MUY INTERESANTE,BASADA EN LA FORMACION INTEGRAL, SOCIAL-eXIGE UNA NUEVA CONCEPCION AGREGADA Y/O INCLUSIVA EN LOS MAESTROS, ADAPTADA A SU CURRICULA, QUE EXIGIRA CAMBIOS EN SU FUNCION ,INTEGRACION ES PARTE DE LA EXCELENCIA EN EL "APRENDIZAJE"
EXECELENCIA EN LOS TIEMPOS QUE CORREN,ADAPTADO A LA EDUCACION_SOCIALIZACION INTEGRAL DE NUEVAS GENERACIONES.
La coeducación es el método en el cual personas de ambos sexos son educadas sin distinguir el sexo al que pertenecen, algo que ya está siendo implementado en la mayoría de partes del mundo. Si no estoy mal en un principio las personas estudiaban solamente con personas de su propio sexo, incluso en algunos países se puede ver que las escuelas que pertenecen al estado aún tienen marcado este tipo de educación, ya sea en educación primaria o educación media. En muchos otros ya casi está erradicada esta forma de educar, a pesar de esto hay instituciones privadas o religiosas que aún practican la educación distinguiendo entre hombres y mujeres. Peor aún, existen países en donde la discriminación de género no solo se da en la educación, sino también en otros aspectos de la vida cotidiana, lo cuál afecta considerablemente la calidad de vida de las personas. Esto se puede ver muy marcado en países en donde se practica el radicalismo, como por ejemplo algunos de los países donde el islam no solo es una religión, sino una forma de vida, dominando incluso temas políticos y legales. En fin, este es un tema de nunca acabar pero está muy bien el arítuclo.